quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Apesar do mau tempo caminhei...e recolhi estas imagens!



Hoje, a chuva tornou o dia escuro. A chuva abateu-se sobre a terra e com ela um cinzento pesado. Sabe bem estar no aconchego da lareira a ler um bom livro e sentir as bátegas fortes no telhado.
 
 
 
 

terça-feira, 15 de outubro de 2013

OS GORAZES

       Há muitos séculos que existe esta feira anual  em Mogadouro. Realiza-se nos dias 15 e 16 de Outubro. É talvez a feira com mais relevo no Nordeste Transmontano. Data de 1290, no entanto há documentos que  a datam em 1760. Segundo estudiosos a palavra Gorazes deriva de korak/
korakis,  que significa porco em Grego. Substitui as letras iniciais das duas palavras e a última da segunda por k, por ser esta a que mais se assemelha à letra do alfabeto grego, substituída. Por ser o mês de Outubro o mês da transição, que antecede o Inverno gélido e era por agora, digo, por este  tempo que começavam as matanças. Antigamente, num passado recente, ainda há ecos disso na minha memória, as pessoas iam à Feira dos Gorazes a fazerem os seus negócios. Vendiam as burras, a cria....e iam comprar aquilo que lhes fazia falta. Lembro-me com saudade desse tempo....os meus pais iam à feira e compravam a marrã (carne de porco entremeada para assar na brasa), as bonecas, as cestas de plástico com atilho de cerejas....num tempo em que não havia o que hoje há....o para mim era mágico.
 Hoje substituiu-se a marrã pela posta à mirandesa.

Gorazes de Mogadouro 2013

 A D. Carolina de Linhares e os produtos da terra produzidos por ela: o mel, a maçã bravo Esmolfe, as compotas, os pimentos, as uvas, os bolos e as rendas e bordados.


 A Isabel Marina, artesã que se dedica à tecelagem . Usa muito linho e lã. Todo o ciclo do linho é feito por ela, desde a sementeira, até à tecelagem.

Em baixo, ramo de linho mourisco e uma cesta com estrigas de linho (linho espadado)
 Artesão espanhol a gravar o meu nome na vara de caminhada que lhe  comprei.

 

Paisagens Outonais

 
 Caminho de Balicobo
B


 Ao longe...o casario de Sanhoane.
 Caminho do Seixo
 Carrasco
 Quase no Castelico...um gado pasta as ervas ressequidas pelo estio

 Pomar de cerejeiras entre a Recta Milã e a Font`a Pedra.